quinta-feira, 18 de junho de 2015

Genesis - Foxtrot (1972)



Foxtrot é sem dúvida alguma um dos 10 melhores álbuns de rock progressivo de todos os tempos. Uma das bíblias sagradas do gênero e que deve ser conhecida por qualquer um que queira mergulhar de fato dentro desse universo.

O álbum abre com a faixa, “Watcher of the Skies”. Logo de cara a banda vai agraciando o ouvinte com um poder majestoso do melotron de Tony Banks, seguido por um órgão ao melhor estilo igreja que e que é servido como cama a ser deitada pelos tambores de Collins que vai subindo o tom trazendo consigo os primeiros acordes do baixo de Rutherford. A guitarra elétrica de Steve Hackett sempre soando de maneira inimitável, acrescenta os elementos basicamente essenciais da canção. Peter Gabriel aborda apaixonadamente um Deus obsoleto cuja a criação humana o ultrapassou e não precisa mais dele.

A segunda faixa é “Table Time”, oferece um excelente piano de Banks, letras verdadeiramente poéticas e se cadencia como uma espécie de interlúdio em relação ao “mini épico” que vem em seguida através de “Get 'Em Out by Friday”. Essa trata-se de uma mini “opera prog”, um verdadeiro exemplo do porquê o Genesis ser de um dos suprassumos em relação ao gênero e ainda hoje influencia infinitas bandas da vertente sinfônica que vão surgindo. Gabriel encarna mais de um papel pra contar um conto de um futuro orwelliano sombrio onde um governo todo poderoso controla todos os aspectos em que seus cidadãos vive. Tudo isso sobre uma peça instrumental que é um deleite para os ouvidos.

Provavelmente a faixa mais esquecida entre até mesmo os amantes de Foxtrot trata-se da belíssima, “Can-Utility and the Coastliners”. A letra conta a história do rei medieval Inglês Canuto, que, a lenda diz, tentou comandar as marés, só para aprender os limites de seu poder terreno, e a loucura de seu orgulho. É impressionante como que em pouco menos de seis minutos uma música consegue mudar de maneira tão suave e frequente tantas vezes a sua forma. Exímios trabalhos de guitarra e teclado, bateria e baixo em um casamento soberbo. Uma canção de atmosfera fantástica. O que vem em seguida através de “Horizons” pode ser visto somente como uma pequena ponta de menos de dois minutos antes do épico que irá fechar o álbum, mas ainda assim não tem como passar despercebida a atmosfera criada pelo bom gosto das notas da guitarra de Steve Hackett.

“Supper's Ready” marca o ponto final de “Foxtrot”. Considerada a melhor faixa da banda por pelo menos sete em cada dez fãs do grupo. Inclusive me coloco nesse meio. Esse épico de 23 minutos traz letras inteligentes e desafiadoras, todos os músicos executando suas funções de maneira inspiradora nunca vistas antes e nos fazendo viajar por emoções variadas por cada um dos capítulos da faixa. Falar de “Supper's Ready” me renderia uma postagem a parte, mas aos que se interessem em cair de cabeça em uma das maiores obras primas musicais contemporâneas já compostas, sem dúvida algum, esse é um dos mais belos caminhos.

Foxtrot é um daqueles discos que provam o porquê do Genesis (que muitos só conhecem da fase dos anos 80) ser uma das bandas mais influentes da história do rock progressivo sinfônico e não parar de servir de inspiração pra infinitas bandas que surgem todos os anos.


- Tiago Meneses - 



Tracks Listing:

1.Watcher of the Skies - 7:19
2.Time Table - 4:40
3.Get 'em out by Friday - 8:35
4.Can-Utility and the Coastliners - 5:43
5.Horizons - 1:38
6.Supper's Ready - 22:58

Se você deseja baixar esse disco, envie um e-mail para esquinaprogressiva@gmail.com

If you want to download this disc, send an email to esquinaprogressiva@gmail.com

3 comentários:

  1. nunca fui muito fã dos progressivos internacionais.... curtia mais os progr BR, tipo aquele bacamarte. o snegs.... varios outros ate mesmo a fase progressiva dos mutantes... de progr internacional eu curto bastante o mahavishnu. king crimson também....
    já coloquei link teu na lista eles ouvem.
    abração.
    bruno costa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa meu amigo. Os nacionais aqui sempre terão vez também (inclusive o Bacamarte já está no blog). Confesso que eu já prefiro os internacionais mesmo. Abraço e muito obrigado.

      Excluir
  2. O disco que me iniciou na obra do Genesis, e um dos meus favoritos de todos os tempos, creio eu que este seja o melhor disco do progressivo antes de The Dark Side of the Moon, do Pink Floyd.

    ResponderExcluir